Terça-feira, 1 de Julho de 2008

Moção

Freguesia da Madalena e Ponte Romana. Que futuro?

 

No dia 25 de Julho foi apresentada pelo Partido Socialista de Chaves na Assembleia Municipal, uma “Moção” que foi reprovada pelo PCP e pelo PSD.
 
O mais curioso no meio disto tudo é que o PCP e o PSD votaram contra as 12 propostas apresentadas para revitalizar a Madalena, sem apresentarem qualquer alternativa ou contra-proposta.
 
Ficou evidente, logo a seguir, que o cerne da questão tem a ver com contas a ajustar a nível Nacional, seguindo a política de “Terra Queimada”, e as directivas do “camarada” Jerónimo de Sousa.
 
Foi tristemente caricato, presenciar, o servilismo de um partido que está cada vez mais de cócoras perante o PSD.
 
Pergunta-se, mais uma vez, aos representantes do PCP na Freguesia de Santa Maria o que tem a dizer sobre o assunto. Quais são as suas propostas? Quais os interesses que defendem?
*
Incrivelmente, ouvi alguns “políticos” a advogar que “deve-se manter o trânsito na Ponte Romana até ela apresentar sinais “visíveis” de perigo de colapso!”
 
Reproduzo, na integra a “Moção” do PS.
 
MOÇÃO
Freguesia da Madalena e Ponte Romana. Que futuro?
 
A Ponte Romana de Chaves considerada um dos ex-libris da cidade pelos seus mais de 1900 anos de história, e também pelo seu valor patrimonial, representa, na actualidade, um dos melhores legados romanos da antiga Aquae Flaviae. A Ponte Romana traduz por isso para a cidade e para o concelho Chaves, não só uma representação de simbolismo e identidade que normalmente o património dá aos territórios, mas também transformou-se, devido à massificação do turismo cultural, num produto turístico que vale para a economia do concelho muitas centenas de milhares de euros por ano.
O Partido Socialista de Chaves sempre apoiou e continuará a apoiar todas as intervenções que tenham a ver com a recuperação, reabilitação e revitalização do património histórico do concelho. No entanto é com alguma preocupação que acompanhamos a concretização das obras na ponte, as alterações de imagem e os materiais utilizados. Pensamos que não foi cabal e tecnicamente justificadas a opção de introduzir uma laje de granito com uma cor muito mais clara que o traço original apresentado pela ponte. Diz o ditado que os gostos não se discutem, mas pensamos nós, e sem fundamentalismos, que o respeito pelo valor histórico do património não foi devidamente respeitado.
Uma outra questão que tem preocupado o grupo municipal do Partido Socialista, e sobre a qual os vereadores do PS já tomaram posição em reunião do executivo tem a ver com a decisão de o Sr. Presidente da Câmara ter publicamente anunciado a intenção de reabrir a ponte ao trânsito. Para nós, Partido Socialista, esta decisão leva-nos a fazer algumas questões:
 
1. É verdade que na memória descritiva do projecto de reabilitação da ponte aquilo que está previsto é o fecho da ponte ao trânsito? Se é verdade, quem foi o autor da ideia de decidir que afinal a ponte não iria encerrar?
2. Porque é que se colocou um granito de cor clara, sabendo que a ideia do Sr. Presidente da Câmara seria de abrir a ponte ao trânsito automóvel?
3. Porque é que na última Assembleia Municipal, dia 30 de Abril de 2008, o Sr. Presidente da Câmara anunciou que, a decisão do executivo do PSD seria a de abrir a ponte ao trânsito automóvel das 8H00 às 20H00 durante os dias da semana e fecharia ao trânsito das 20H00 às 8H00, durante os dias de semana, todo o dia de Sábado, Domingos e Feriados e só passados 2 meses é que se lembra de pedir um parecer ao Ministério da Cultura para que sejam analisadas as questões de segurança?
4. Porque razão o Sr. Presidente da Câmara pediu um parecer ao Ministério da Cultura, quando a decisão política, quanto ao trânsito já tinha sido anunciada publicamente? Não seria mais sério ter pedido o parecer antes de ter anunciado a sua decisão e a decisão do executivo do PSD?
5. Queremos que o rio e a Ponte Romana sejam não um factor de divisão mas sim de união entre as duas margens, e neste sentido gostávamos também de saber qual a posição da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior e da Junta de Freguesia da Madalena?
6. Tem-se falado bastante sobre a importância da ponte para o comércio da Madalena, e por isso é com bastante preocupação que, também estranhamos o silêncio do presidente da ACISAT. Para o Partido Socialista é uma enorme falha que uma instituição com a história da ACISAT não tenha dito uma única palavra sobre esta matéria.
7. Estranhamos de igual forma a postura do PCP. Sobre este assunto nem uma única palavra. O mais curioso é que este é um registo a que os flavienses já se acostumaram, quando se trata de tomar uma posição sobre matérias do domínio autárquico o PCP nunca tem opinião e responde sempre com perguntas ao PS.
 
Sr. Presidente da Assembleia, senhores deputados
O Partido Socialista já expôs publicamente, quer através do Presidente da Comissão Política, quer através dos vereadores, a sua posição quanto a esta matéria. Só por motivos de desatenção ou por tacticismo político se pode dizer, hoje, que o PS não tem posição sobre esta matéria.
Entendemos desde o início que o tema Ponte Romana é um assunto sério, delicado e que exige da parte do município uma posição clara, e por isso não percebemos o motivo pelo qual o Sr. Presidente da Câmara está a tentar esconder a cara atrás de um parecer do Ministério da Cultura.
Esta é, e o PS tem a consciência disso, uma decisão que não é pacífica. Existe, como sabemos, uma pluralidade de opiniões nos flavienses. Colocam-se em discussão, questões quanto ao valor patrimonial do património, questões de interesse turístico e comercial, questões de segurança rodoviária e pedonal, questões ambientais e de mobilidade urbana e até questões do foro pessoal.
Sabemos, por estes factos, que a decisão a tomar nunca será pacífica e aceite por todos e por isso os vereadores do PS propuseram de forma pensada e séria a realização de um referendo concelhio, para que desta forma os flavienses se pudessem pronunciar de forma democrática sobre o futuro da Ponte Romana. Sabemos que a ponte além da sua função de identificação simbólica dos flavienses com o passado, cumpre também outras, uma função política, ao favorecer a coesão social da comunidade flaviense e uma função económica. É aqui, nesta última função, que a opinião dos flavienses se divide. Não há dúvidas que o executivo do PSD andou mal, pois era conhecedor destas tensões existentes quanto à possibilidade de a ponte ter ou não ter trânsito e nada fez para que, antes da adjudicação da obra, tivesse obtido o “feedback” dos flavienses.
A responsabilidade e credibilidade dos partidos vê-se na forma como encaram os problemas. Para o PS a freguesia da Madalena está perante uma situação de imobilismo e retrocesso gerada pela completa inoperância da Junta de Freguesia e da Câmara Municipal. Os comerciantes e residentes da Madalena, nos últimos oito anos, têm vindo a ser vítimas do abandono e da falta de actuação estratégica municipal e por isso independentemente da decisão a tomar sobre o futuro do trânsito e da forma como vai ser ela tomada, há um conjunto de medidas de apoio à freguesia da Madalena e à dinamização do seu Comércio, que devem ser discutidas e por isso as trazemos à consideração desta assembleia e as quais passo a descrever:
 
Que seja feito um estudo de caracterização física e socioeconómica do núcleo histórico urbano da Madalena;
Que sejam determinadas quais as áreas comerciais para as quais a Madalena está especialmente vocacionada, e que estas vocações comerciais sejam posteriormente alvo de dinamização;
Que o município faça uma sensibilização e que sejam dados apoios para que algumas actividades mais poluentes, que, visualmente geram uma imagem desconfortável e pouco atractiva para o comércio se possam deslocalizar para o parque empresarial, devendo surgir em seu lugar zonas comerciais mais dinâmicas e sedutoras.
Que seja tomadas medidas quanto à mobilidade no trânsito, medidas essas que deverão passar pela pedonalização de algumas ruas e alteração aos sentidos de trânsito de outras; Que seja criada uma ligação junto ao rio entre o jardim público e a nova área verde a criar pelo Polis;
Que sejam criadas as condições para aumentar a oferta de estacionamento no núcleo histórico através da criação de um novo parque de estacionamento;
Que sejam tomadas medidas de benefícios fiscais ao nível dos impostos sobre o património (IMI e IMT), para que se possa promover uma maior reabilitação do edificado;
Que seja aumentado índice de arborização e sejam criadas novas zonas verdes no núcleo histórico;
Que seja realizada uma feira mensal intitulada “o Mercado desce à Madalena”, localizada no interior do terreiro da Madalena e dentro de uma ambiente de autenticidade serão expostos para venda produtos exclusivamente regionais. Dever-se-á homogeneizar as características dos expositores para que transmitam uma imagem cuidada e tradicional.
Que a autarquia promova a deslocalização e implantação de alguns serviços municipais na Madalena através da aquisição e reabilitação de um imóvel no núcleo histórico;
Que a Câmara de Chaves opte por iniciar já o processo de construção do centro escolar da Madalena;
Que a autarquia desenvolva junto dos CTT as diligências necessárias para que se possa abrir um posto de atendimento ao público. Além destas medidas, que hoje aqui trazemos, os seus vereadores do PS já propuseram, há mais de um mês, outras medidas:
 
1. Elaboração de um estudo sobre a mobilidade urbana na cidade de Chaves;
2. Constituição de um grupo de trabalho para que seja feito um dossier de candidatura da Ponte Romana a património Mundial;
3. Colocação de sinalética turística intra urbana com indicação da localização da ponte romana;
4. Disponibilização de informação turística sobre a história da ponte e suas vicissitudes;
5. Criação de um circuito romano que envolva a ponte, as termas romanas e até outros monumentos de grande valor patrimonial.
Encerrar a ponte ao trânsito SIM, mas com a garantia que estas propostas de revitalização da Madalena sejam assumidas pela câmara municipal.
Por último, queremos transmitir a esta assembleia a nossa preocupação quanto à forma como a autarquia tratou o problema do trânsito na Ponte Romana. Não houve diálogo e seriedade, houve indecisão e falta de clareza. Esta posição de zigue-zague e de apenas falar em posições de princípio sem qualquer tipo de objectividade e clareza dividiu os flavienses. Depois de tudo o que já foi dito, oficial e oficiosamente pelo Sr. Presidente da Câmara, pelo silêncio dos restantes vereadores, da Junta de Freguesia da Madalena, da Junta de freguesia de Santa Maria Maior, do presidente da ACISAT e do PCP, o Partido Socialista de Chaves entende que a bem do respeito pelos cidadãos e do incentivo à participação cívica dos flavienses nas decisões autárquicas, deverá ser aprovada também por esta Assembleia Municipal a realização de um referendo concelhio, cuja pergunta deverá ser:
 
Concorda que a Ponte Romana de Chaves seja encerrada ao trânsito automóvel?
 
publicado por Flaviense às 23:10
link do post | comentar | favorito
|

.SNAP SHOT

.mais sobre mim

.PONTE ROMANA

Concorda que a Ponte Romana passe a ter utilização unicamente pedonal?
Sim
Não
Sem opinião
= Ver resultados =

.Pesquisar neste blog

 

.Setembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30

.Chaves

Creative Commons License

.posts recentes

. Moção

.Arquivos

. Setembro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.tags

. todas as tags

.Links

.Livros em Destaque

Autor – Júlio Montalvão Machado – 2006 - Formato 19 x 27, 462 páginas – 3ª Edição * A MAGIA DE AQUAE FLAVIAE Autor - Mário Gonçalves Carneiro

.Nas termas

online

.Tempo

Weather Forecast
Locations of visitors to this page

.Euromilhões

blogs SAPO

.subscrever feeds