Quinta-feira, 28 de Fevereiro de 2008

Aldraba e Aldrava

Até há uns dias nunca tinha pensado na etimologia das palavras – para mim ambas (Aldrava sinónimo de Aldraba), tinham as mesmas funções – Utilizávamos as aldrabas “peça de ferro ou bronze, em forma de argola ou martelo, para bater, abrir ou fechar portas.”

*

Mas pelos vistos a significância não é assim tão linear:

No “Vocabulário Português de Origem Árabe”, diz que a palavra Aldrava (Aldraba) vem do árabe «Ad-Dabbã» e define-a como “trinco, lingueta, ferrolho.”

No Dicionário, encontramos esta caracterização: “tranqueta de ferro com que se fecha a porta; peça metálica para bater às portas.

– Segunda pessoa do singular do imperativo do verbo aldrabar.

– Terceira pessoa do singular do presente do indicativo do verbo aldrabar.

*

*

Posto isto, e pondo de lado o ponto de vista técnico, em Chaves ainda existem alguns exemplares de Aldrabas ou Aldravas, conforme a imagem que aqui apresento.

Deixo ao critério de cada um a designação ou definição a aplicar a cada uma delas.

*

publicado por Flaviense às 13:45
link do post | comentar | favorito
|

Providência cautelar

Maternidade Cap. XIIIversículo III
*
No dia 25 de Fevereiro, foi posto em cena, mais um Capitulo da novela “Maternidade de Chaves”.
*

*

Versículo I
Aquando o encerramento da Maternidade de Chaves, no dia 27 de Dezembro de 2007, o presidente da Câmara de Chaves, o social-democrata João Baptista, afirmou em declarações à Lusa e a :
Uma providência cautelar dará entrada no Tribunal Administrativo Fiscal de Mirandela – logo nos primeiros dias de 2008”, visando a reabertura do bloco de partos do hospital local.
*
Versículo II
Com o passar dos dias e perante o silêncio e o desinteresse patente da autarquia, os Flavienses questionaram, de diversas formas, o presidente da Câmara de Chaves, sobre o atraso e a falta de cumprimento de mais uma promessa assumida pelo mesmo.
O PSD, convocou a imprensa local, tentando justificar a posição que o PSD sempre teve sobre o Hospital e a dar resposta às varias criticas que lhe eram atiradas. No meio da argumentação, falaram em “boatos de café” e a ataques anónimos., que tinham como uma obsessão única, atacar a Câmara de maioria PSD e o presidente da Câmara.
A apresentação da providência cautelar foi, entretanto, adiada para o dia 28 de Janeiro de 2008
*
Versículo III
Estes dois meses, foram passados, a atirar pedras aos telhados alheios, quer por intermédio dos meios controlados pelo seu “Assessor de Imprensa”, quer pelos cronistas de “Opinião”.
Fruto das posições públicas e perante a contínua pressão da opinião publica a que se somou “Alguma” Imprensa Local, o presidente do Município, João Baptista, entregou, finalmente, na manhã do dia 25, no Tribunal Administrativo e Fiscal de Mirandela (TAFM), uma providência cautelar para reabertura do bloco de partos do hospital de Chaves.
*
Mais uma vez, o autarca, atira a culpa do encerramento da Maternidade para os outros, escamoteando a sua cota de responsabilidade.
*
O autarca flaviense sustenta que a medida visa o cumprimento do despacho do Ministério da Saúde quando relatava que só haveria lugar ao encerramento da maternidade de Chaves, depois de melhoradas as acessibilidades. Para o edil, apesar de concluída a A24, entre Vila Real e Chaves, algumas localidades de concelhos vizinhos abrangidos pela unidade de saúde flaviense não viram ser melhorados os acessos e "existem pessoas que estão a cerca de três horas de Vila Real".
*
Apesar da extemporaneidade da Providência Cautelar, diz, o Sr. João Batista, confiar numa decisão favorável do TAFM mesmo tendo em conta que as restantes providências cautelares, apresentadas por municípios afectados com o fecho de maternidades, nunca deram lugar à reabertura dos blocos de parto.
*
O Flaviense”, permite-se transcrever o do dia 4/01/2008
*
Bocas Verrinos(s)as
A Dormir de pé e às aranhas!!!
*
"É certo que o caso, como quase todos, pode ser visto por outro prisma. Ou seja, que mais vale tarde do que nunca. À boa maneira portuguesa, há sempre um dito popular para salvar a honra do convento. Mas lá que custa a entender uma reacção tão tardia lá isso custa. Dá ideia de desnorte, insegurança e falta de estratégia. E não está em causa o ser contra ou favor. Está em causa a firmeza e a convicção nas posições que se tomam. "
publicado por Flaviense às 12:43
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 23 de Fevereiro de 2008

Zeca Afonso sempre

Compositor – Cantor – Poeta – Cidadão Maior
*

*
Mais conhecido por Zeca Afonso, foi um dos cantores e compositores de música de intervenção português mais importantes do nosso Portugal. Escreveu, entre outras coisas, música de crítica à ditadura fascista que vigorou em Portugal desde 1933 até 1974.
Zeca foi um compositor notável, soube conciliar a música popular portuguesa e os temas tradicionais com a palavra de protesto, na recusa permanente do caminho mais fácil, da acomodação, no combate ao fascismo salazarento, na denúncia dos oportunistas.
*
Cronologia
*
1929 – Nasce em Aveiro, no dia 2 de Agosto, José Manuel Cerqueira Afonso dos Santos.
*
1956 – Foi marcado pela candidatura de Humberto Delgado, nas eleições presidenciais.
Zeca Afonso acompanhou de perto a campanha eleitoral.
*
1963 – Grava "Os Vampiros", um dos temas fundamentais da sua carreira.
*
*
1970 – Grava em Londres "Traz outro amigo também". Rui Pato impedido de sair de Portugal é substituído na viola por Carlos Correia (Boris).
*
1973 – Em Abril de 1973 esteve preso durante vinte dias em Caxias, onde escreve entre outros textos “Era um redondo vocábulo”. Pelo Natal publica o disco "Venham Mais Cinco" gravado em Paris, de novo sob a direcção de José Mário Branco. Foi o último disco de José Afonso antes da revolução de Abril.
*
1974 – No dia 24 de Março José Afonso participa no I Encontro da Canção Portuguesa, em Lisboa. Debaixo do olhar atento da PIDE, passaram pelo palco do Coliseu alguns dos nomes mais sonantes do canto de intervenção, como Adriano Correia de Oliveira, José Barata Moura, Fernando Tordo, José Carlos Ary dos Santos, Fausto, Vitorino. Terminam a sessão com «Grândola, Vila Morena». Militares do MFA estão entre a assistência.
*
No dia do espectáculo, a censura avisara a Casa de Imprensa, organizadora do evento, de que eram proibidas as representações de «Venham Mais Cinco», «Menina dos Olhos Tristes», «A Morte Saiu à Rua» e «Gastão Era Perfeito». Curiosamente, a «Grândola Vila Morena» era autorizada.
No dia 25 de Abril é derrubado o regime fascista de Marcelo Caetano, pelo Movimento das Forças Armadas. “Grândola Vila Morena” é escolhida como senha para o arranque do movimento, passando na madrugada de 25 na Rádio Renascença.
*
1982 – Começam a conhecer-se os primeiros sintomas da doença do cantor, uma esclerose lateral amiotrófica. Trata-se, aparentemente, de um vírus instalado na espinal-medula que, de uma forma progressiva, destrói o tecido muscular e, normalmente, conduz à morte por asfixia. Actua em Brouges no Festival de Printemps.
*

*

1983 – A 29 de Janeiro, com José Afonso já em dificuldades, dá um espectáculo no Coliseu dos Recreios, para uma sala completamente cheia. Do espectáculo resultará o disco "José Afonso ao vivo no Coliseu". No Natal desse ano, grava “Como Se Fora Seu Filho”, o seu testamento político.
O Presidente da República, general Ramalho Eanes, atribui a José Afonso a Ordem da Liberdade, mas o cantor recusa-se a preencher o formulário.
*
1984 – A doença agrava-se. ”Livra-te do medo, estórias e andanças de Zeca Afonso” de José Salvador, é publicado pela Regra do Jogo.
*
1985 – Sai o seu último álbum, "Galinhas do Mato" com arranjos musicais de Júlio Pereira e Fausto. José Afonso só canta algumas faixas, devido ao seu estado de saúde estar prejudicado pela doença de que sofre.
*
1994 - O Presidente da República Mário Soares tentou de novo condecorar, postumamente, José Afonso com a Ordem da Liberdade, mas a mulher, Zélia, recusou, alegando que se José Afonso não desejou a distinção em vida, também não seria após a sua morte que seria condecorado.
*
A Morte Saiu á Rua

*

José Afonso morreu no dia 23 de Fevereiro de 1987, no Hospital de Setúbal, às 3 horas da madrugada, vítima de esclerose lateral amiotrófica, diagnosticada em 1982. O funeral realizou-se no dia seguinte, com mais de 30 mil pessoas, da Escola Secundária de S. Julião para o cemitério da Senhora da Piedade, em Setúbal, onde a urna foi depositada às 17h30 na sepultura 1606 do quadro 19.

O funeral demorou duas horas a percorrer 1300 metros. Envolvida por um pano vermelho sem qualquer símbolo, como pedira, a urna foi transportada, entre outros, por Sérgio Godinho, Júlio Pereira, José Mário Branco, Luís Cília e Francisco Fanhais.

*

Zeca Afonso foi um revolucionário que nunca deixou de perseguir aquilo que sonhou.

*

Na sua Autobiografia, José Afonso afirma:

*

"Não me arrependo de nada do que fiz. Mais: eu sou aquilo que fiz. Embora com reservas acreditava o suficiente no que estava a fazer, e isso é o que fica. Quando as pessoas param há como que um pacto implicito com o inimigo, tanto no campo político como no campo estético e cultural. E, por vezes, o inimigo somos nós próprios, a nossa própria consciencia e os alibis de que nos servimos para justificar a modorra e o abandono dos campos de luta."

"Admito que a revolução seja uma utopia, mas no meu dia a dia procuro comportar-me como se ela fosse tangível. Continuo a pensar que devemos lutar onde exista opressão, seja a que nível for."

*

Dizem que morreu há 21 anos

*

 

 

publicado por Flaviense às 03:00
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 21 de Fevereiro de 2008

O FLAVIENSE

O FLAVIENSE
*
Semanário Republicano Independente
*
*
O Semanário “O FLAVIENSE” iniciou a sua publicação no dia 21 de Fevereiro de 1915, faz hoje 93 anos.
Foi um “Semanário Republicano e Independente”, propriedade da empresa “O Flaviense”, que tinha como Director José Mesquita e Editor Luís António Esteves.
*

 

*

Entre o dia 21 de Fevereiro de 1915 e 3 de Setembro de 1916, publicou 76 números.
 *
*

*

A sua Redacção e Administração situavam-se no “Largo do Anjo” na que era então a “Papelaria Mesquita”.

 

tags:
publicado por Flaviense às 11:37
link do post | comentar | favorito
|

Fotos de Hoje e de Sempre

Ponte Romana 1925 / 1930

 

Ponte Romana 2008

publicado por Flaviense às 10:54
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 13 de Fevereiro de 2008

Faz 43 anos

13 Fevereiro 2008 – 13 de Janeiro de 1965

 

Humberto da Silva Delgado nasceu a 15 de Maio de 1906, em S. Simão da Brogueira – Torres Novas e foi assassinado pela PIDE a 13 de Fevereiro de 1965, em Villa Nueva del Fresno, perto de Badajoz (Espanha) após vários anos de exílio.

 

Humberto Delgado

 

Termina o mandato do Presidente Craveiro Lopes. Em Fevereiro de 1958, Humberto Delgado declara-se Candidato à Presidência da República, contra o almirante Américo Tomás (apoiante de Salazar). Reúne em torno da sua candidatura toda a oposição ao regime, mormente os comunistas.

*

“Obviamente demito-o”

Bastou uma simples frase, para que Humberto Delgado, escrevesse o seu destino na história política de Portugal contemporâneo.

O episódio a que esta frase se refere, passou-se em Lisboa no café “Chave de Ouro”, no dia 10 de Maio de 1958, respondendo a uma pergunta feita pelo jornalista Mário Neves, correspondente da France Press:

“Qual a sua atitude para com o Sr. Presidente do Conselho se for eleito?”

O ”General sem medo” disse: "demito-o, obviamente", a afirmação passaria à história com as palavras em ordem inversa.

Foi a frase de declaração de guerra ao regime, que verdadeiramente iniciaria o caminho que o introduz na História, e lhe carreia o cognome de "General sem Medo".

Com esta resposta, passou de um General candidato, a grande esperança da democracia em Portugal.

*

Depois das eleições, que ficaram conhecidas por constituírem uma maciça fraude eleitoral, Salazar promove, em Agosto de 1959, uma revisão da Constituição, impedindo a eleição do Presidente da República por sufrágio directo, sendo substituído por sufrágio indirecto proporcionado por um colégio eleitoral de total confiança do Governo.

No rescaldo das eleições o governo demitiu Humberto Delgado das funções de Director-geral da Aeronáutica Civil, a 12 de Junho de 1958.

*

Avisado de que estava preparada uma falsa manifestação de apoio em frente da sua residência, com elementos da PIDE e da Legião, com intuitos de o assassinarem, refugiou-se na Embaixada do Brasil a 12 de Janeiro de 1959. Depois exila-se para aquele país.

Assumiu a responsabilidade política da controversa captura o paquete "Santa Maria", operação levada a cabo por Henrique Galvão e membros do Directório Revolucionário Ibérico de Libertação (DRIL) em 22 de Janeiro de 1961.

Nos finais de 1961, Humberto Delgado entra clandestinamente em Portugal para tomar parte na fracassada revolta de Beja, conseguindo iludir a vigilância da PIDE durante quinze dias.

1963: Instala-se na Argélia e assume a chefia da Junta Patriótica de Libertação Nacional.

1964: Deixa a J.P.L.N. e funda a Frente Portuguesa de Libertação Nacional.

*

A PIDE, que já no Brasil fizera uma tentativa de assassinar Humberto Delgado, não podia falhar novamente e planejou minuciosamente o assassinato do opositor na chamada "Operação Outono".

A emboscada começou meses antes, quando membros da PIDE que se tinham infiltrado nos círculos de confiança do general o convenceram de que ele tinha que viajar para Badajoz, saindo da Argélia, para tentar derrubar o regime.

Foi assim que ele anuiu ir ao encontro de Badajoz. Convencido que se reuniria, em um escritório dos correios da cidade espanhola de Badajoz, com um grupo de opositores interessados em derrubar o regime, Delgado foi de facto ao encontro da morte.

*

13 de Fevereiro de 1965 é a data do encontro fatídico. Ele tinha tanta confiança de que tudo estava acontecendo dentro do previsto, que enviou do escritório dos correios quatro cartões postais a amigos residentes em quatro países diferentes, assinados com o pseudónimo (Deolinda).

O objectivo do envio destes postais correspondia a um código, previamente combinado, que significava: estou vivo e não estou preso.

Foi o último sinal de vida e por isso esta data é considerada a data do seu assassinato que se pressupõe ter ocorrido perto de Olivença.

*

O assassinato do "general sem medo" foi realizado por uma brigada de quatro agentes da PIDE que cruzaram a fronteira entre Espanha e Portugal usando passaportes falsos.

O grupo era comandado por António Rosa Casaco, acompanhado por Agostinho Tienza, Ernesto Lopes Ramos e Casimiro Monteiro, este último autor dos disparos que mataram Humberto Delgado e sua secretária, a brasileira Arajaryr Moreira de Campos.

Depois do assassinato, Rosa Casaco telefonou para o chefe da polícia política do regime, o major Silva Pais, a quem confirmou as mortes. 

Passam-se semanas sem qualquer notícia do seu paradeiro.

Dois meses e meio depois, a 26 de Abril de 1965, os corpos do de Humberto Delgado e de sua secretária são encontrados por duas crianças, em adiantado estado de decomposição, perto da cidade espanhola de Villanueva del Fresno.

No entanto diversos elementos permitem identificá-los, dando início a um árduo processo judicial, que só terminaria após o 25 de Abril de 1974, com a condenação em tribunal militar dos ex-agentes da PIDE directamente implicados.

*

Em 1990 Humberto Delgado foi promovido a título póstumo a Marechal da Força Aérea e seus restos mortais foram trasladados para o Panteão Nacional em Lisboa.

*

*

Para lembrar o assassinato, de Humberto Delgado, no local exacto onde Casimiro Monteiro apertou o gatilho de sua pistola, foi erguido em 1995 um monumento que simboliza o triunfo da liberdade sobre a morte.

*

«ESTOU PRONTO A MORRER PELA LIBERDADE»

*

No dia 22 de Maio de 1958 em Chaves, cheio de entusiasmo, com o apoio popular crescendo em paralelo com a crispação das forças situacionistas, alem dos temas usuais, proferiu ainda a celebre Frase: 

EU ESTOU PRONTO A MORRER PELA LIBERDADE”.

*

publicado por Flaviense às 04:16
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 12 de Fevereiro de 2008

Ribeirão 2 – G. D. Chaves 1

II DIVISÃO – 21ª JORNADA

Estádio do Pascal, em Ribeirão

Marcadores:

Bruno Madeira (34”) pelo Chaves.

Leandro (46”) e Bura (89”) pelo Ribeirão.

*

 

Borges pode sair

*

A Direcção do Chaves reuniu-se ontem à noite para debater a continuidade de António Borges na liderança da equipa técnica. O Chaves perdeu domingo com o Ribeirão, mantendo mesmo assim a segunda posição na Série A da II Divisão, com os mesmos pontos de Ribeirão, Valdevez e Tirsense, mas as exibições da equipa - que ficou sem Edu Castigo, ontem operado ao malar esquerdo - não têm agradado.

*

Noticia do Jornal «O JOGO»

*

tags:
publicado por Flaviense às 14:12
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 6 de Fevereiro de 2008

FOTOS DE SEMPRE

 

Ponte Romana 1917

publicado por Flaviense às 13:39
link do post | comentar | favorito
|

Chaves 2 Moreirense 2

O Chaves deu a sensação de ter o jogo decidido ao marcar dois golos em seis minutos (Carlos Pinto aos 17” e Bruno Madeira aos 23”).
Na segunda parte os minhotos, em dois lances de bola parada, (Quim de canto aos 68” e Cascavel de livre aos 81”) empataram o encontro. Já perto do final do jogo o Moreirense esteve muito perto de marcar novamente.
Com este resultado o Desportivo de Chaves desceu para o segundo lugar da tabela classificativa (38 pontos) cedendo o comando ao União da Madeira (40 pontos).
*

*

*

tags:
publicado por Flaviense às 13:34
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 4 de Fevereiro de 2008

Bebé nasce em ambulância na A-24

A face mais visível do ataque cerrado que Correia de Campos desferiu contra o Serviço Nacional de Saúde e a sua qualidade está à vista de todos. Mulheres a darem à luz pelas estradas de Portugal.
*
Francisco, assim se chama o bebé, nasceu ao final da tarde do dia 02-02-2008 numa ambulância do INEM na auto-estrada que liga Chaves a Vila Real.
A mãe, que chegou a estar internada no Hospital de Vila Real, acusa o médico de lhe ter dado alta por “não haver camas disponíveis”.
As horas que antecederam o nascimento foram no entanto complicadas.
Tendo começado a ter contracções durante a madrugada, a parturiente, foi imediatamente transportada para o Hospital de Vila Real onde ficou internada.
Por volta das 10:00 da manhã, João Ferreira, pai da criança recebe, espantado, um telefonema da esposa a dizer-lhe que o médico que entrou de turno ás 08:00 da manhã lhe deu alta.
*
O médico terá alegado que não havia camas para que a grávida pudesse ficar internada no Centro Hospitalar Vila Real.
Mesmo com dores a esposa de João Ferreira teve de voltar para casa.
*
Cerca das 19:00 horas, foi levada novamente ao Hospital de Chaves que a encaminhou de novo para Vila Real, tendo o bebé nascido na A24 a cerca de 15 minutos do Centro Hospitalar Vila Real/Peso da Régua. O Francisco acabou por vir ao mudo, durante o vaivém entre Chaves e Vila Real, tendo a parturiente sido assistida por 1 médico e 1 enfermeiro do INEM.
*

PRIMEIRO JORNAL

Edição de 03-02-08 Apresentação de Fernanda de Oliveira Ribeiro

*

Por tudo isto, João Ferreira e os Flavienses questionam as condições do Hospital de Vila Real como contrapartida ao encerramento do Bloco de Partos do Hospital de Chaves.

*

Lembramos que o presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro, Carlos Vaz, garantiu que esta instituição estava preparada para receber com "segurança e eficácia" um aumento do número de partos.

*

Segundo a (ARS), o encerramento do bloco de partos de Chaves ocorreu depois de estarem Garantidas as Condições de acessibilidades e de Serviços Pré-Hospitalares Prometidos.

*

Com o encerramento do bloco de partos de Chaves, o Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro passou a dispor apenas um bloco de partos, instalado no Hospital de Vila Real. O centro hospitalar agrega os hospitais de Vila Real, Chaves, Peso da Régua, e Lamego.

*

Os Flavienses esperam um esclarecimento da Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte, para a «Falta de Camas» que existe no Hospital de Vila Real. Os Flavienses questionam, igualmente, o presidente da Câmara de Chaves, o social-democrata João Baptista, se como afirmou à Lusa e em declarações a TSF, a providência cautelar prometida para “logo nos primeiros dias de 2008”, posteriormente adiada para o dia 28 de Janeiro de 2008, já deu entrada no Tribunal Administrativo e Fiscal de Mirandela, ou se esta promessa não passou de uma “Manobra de Diversão”?

*

publicado por Flaviense às 13:11
link do post | comentar | favorito
|

Chaves voltará a ter Policia de Segurança

A Nova POLIS
*
A Autarquia Flaviense, que mais tarde ou mais cedo vai perder mais um Serviço Publico, decidiu em reunião camarária, tomar novas medidas para fazer face a perda da Esquadra de Trânsito da PSP.
*
A Autarquia Flaviense promete. A qualidade do serviço prestado à população não vai baixar de nível ou de segurança. Como sucedeu com o encerramento do bloco de partos e perda da Maternidade, menos de um mês depois, Chaves assistirá à apresentação de uma nova Super Policia Municipal.
*
Sem efectivos para realizar o patrulhamento em viaturas, face ao corte no orçamento de estado para a lei das finanças locais, aqui apresento as imagens do dispositivo aprovado para a utilização desta medida.
*

*

Apela-se ainda aos Flavienses para não estarem preocupados com a perda de Segurança Publica que se irá fazer sentir em Chaves. Além de serem criados novos postos de trabalho, vai ser formada uma Super Policia Municipal que vai usar novas técnicas…
*

*

Para o vice-presidente da Câmara Municipal de Chaves, “é uma boa alternativa. Um concelho que pode dispor de uma Policia Municipal e de uma Esquadra de atendimento torna-se mais seguro”.

A nova Esquadra irá ficar situado num terreno nas imediações do nó da A24 que dá acesso ao centro da cidade e também muito próximo do Hospital Privado e ao Casino de Chaves.

*

Vai ser financiada pelo Programa Polis de Chaves lançado em Janeiro de 2002, pelo então ministro do Ambiente, José Sócrates, e, por isso mesmo, o social-democrata João Baptista quer que seja o agora primeiro-ministro a inaugura-la.

 

Enquanto isso, o presidente da Autarquia Flaviense mantém a intenção de interpor uma Providência Cautelar para que a PSP não veja os seus efectivos reduzidos.

*

tags:
publicado por Flaviense às 13:00
link do post | comentar | favorito
|

.SNAP SHOT

.mais sobre mim

.PONTE ROMANA

Concorda que a Ponte Romana passe a ter utilização unicamente pedonal?
Sim
Não
Sem opinião
= Ver resultados =

.Pesquisar neste blog

 

.Setembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30

.Chaves

Creative Commons License

.posts recentes

. José Sócrates em Chaves

. 2009

. Boas Festas

. Cine Teatro de Chaves

. UM HOMEM DEITADO NO CHÃO

. Cadeia Comarcã de Chaves ...

. Chaves, o Rio, as Poldras...

. Azenha do Agapito

. Nova Ponte Pedonal

. Cartaz do Dia

. Depois de XIX Séculos, fi...

. Construção da Ponte Pedon...

.Arquivos

. Setembro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.tags

. todas as tags

.Links

.Livros em Destaque

Autor – Júlio Montalvão Machado – 2006 - Formato 19 x 27, 462 páginas – 3ª Edição * A MAGIA DE AQUAE FLAVIAE Autor - Mário Gonçalves Carneiro

.Nas termas

online

.Tempo

Weather Forecast
Locations of visitors to this page

.Euromilhões

blogs SAPO

.subscrever feeds